quinta-feira, 9 de março de 2017

NEM TUDO SÃO FLORES NO DIA DA MULHER ! (Pequeno Conto).

Zéferino é um destes sujeitos pobres,que vive empurrando um carrinho de catar papeis aqui em Goiânia. Ele só não é mais pobre por falta de espaço. O "Jó" da Bíblia,nos tempos das vacas magras, perto dele, seria considerado um milionário.Mas, o Zeferino estava fazendo o "serviço " dele. E passou na frente de uma Loja na Av. 24 de outubro(em Campinas,bairro de Goiânia) logo cedo para pegar uns papelões e viu na TV da exposição da loja que hoje era o "Dia da Mulher". E todo mundo comprando presentes,dando flores. Ele viu,inclusive,uns policiais militares dando flores para as mulheres na rua.Eles sempre fazem isto. Filmam,passa na TV à noite. E o Zeferino pensou:
-"Tô sem dinheiro,mas preciso levar ao menos umas flores para a Maria". (Maria era a sua cara-metade,que ficava no barraco tomando conta dos oito filhos deles. O mais novo tinha 8 meses,o mais velho 11 anos de idade)- O Zeferino não tem TV,logo...E saiu pela 24 de outubro pegando papeis,juntando papelões. Foi subindo a avenida até chegar perto do Cemitério Santana. Quem mora em Goiânia sabe onde é. Passando em frente pensou:-"Vou pegar umas flores que os outros deixam lá,nos túmulos, e levar para a Maria" .
Achou que tinha tido uma boa ideia. Com o pouco dinheiro que ele tinha comprou uma garrafa de "pinga" (cachaça). E com fome,lá pelas 13 horas, foi embora para casa.Chegou todo "serelepe",com aquelas flores vermelhas na mão. E notou que a Maria, estava emburrada,cansada,de tanto "lidar" com os filhos, que eram feios,sujos e malvados. Ela estava triste.E o Zeferino disse para ela, um tanto animado (já tinha tomado umas pingas) :-"Olha aqui muié umas flores para comemorar teu dia"...E ainda disse:
-"Como naquela música antiga ,rosas vermelhas para uma dama triste...(nem sei onde ele tinha ouvido isso).Mas a Maria não gostou muito. Cheirou as flores,viu também que o Zeferino tinha tomado umas "pingas" (O cheiro da cachaça denunciava ele), e disse para ele:-"Ô Zéferino,onde tu pegou estas flores murchas...tá parecendo flor de cemitério ?" E ele vendo que não lhe restava outra opção a não ser falar a verdade,disse:- "Como tu advinhou,muié ? "Ela retrucou;- "Ora bolas,num tá vendo o cheiro de defunto nelas ?" Não sei porque,mas flores de cemitério têm cheiro de defunto...(defunto tem cheiro ?)...
E o Zeferino ficou sem graça,sentou no chão com a garrafa de pinga na mão e ficou a esperar que a Maria lhe trouxesse o arroz com ovo ,que era seu almoço. -Arroz,ovo e cachaça, Zeferino ? Ninguém merece ! Mas, era o que tinha para o momento.Enquanto ele comia a "gororoba" meio fria, a Maria jogava aquelas flores num canto,das mais sem graça e resmungando:-"Ora ,onde já se viu,trazer flores murchas de cemitério para mim !"
Ela pensou em voz alta : -"Tu quer que eu morra homi de Deus ?" Obviamente que,nem adiantava pôr as flores num vaso com água...É isso !Vida de pobre não é fácil mesmo...Mas o que ele poderia fazer? -Porque não comprou pelo menos um frango congelado para fazer um almoço melhor com a Maria e os filhos,ao invés da garrava de cachaça ?Pobre,egoísta e burro Zeferino ? -Assim não dá !
Antônio Gomes
(Para o livro " Os Retratos da Vida II")
Edição: 08 de março de 2017