segunda-feira, 28 de março de 2016

O DESTINO BATE À SUA PORTA ( Parte de meu 7º livro "O Amor tem Muitas Faces" - Publicado este ano pelo Clube de Autores )

Alguns dias atrás, com tempo de sobra e vasculhando meus alfarrábios, encontrei uma destas revistas "Seleções" "Readers Digest" de janeiro de 1998, e folheando-a, encontrei uma história interessante escrita pelo Ator Inglês Gene Wilder onde, em resumo, ele conta como encontrou sua segunda esposa. Foi uma obra do destino mesmo, pois foi por causa da sua insistência em recusar a fazer o filme "Cegos Surdos e Loucos"(título em português), que ele acabou por conhecer esta sua segunda "cara metade".
Conta ele que, após ter ficado viúvo ,ficou depressivo, apático, desinteressado em sua carreira.
Em suma, não mais queria fazer filmes. E estava aprendendo, se é que isso se aprende, a ficar sozinho, ou seja, a viver sozinho. 
Obviamente que, como já tinha seu "pé-de-meia", ou seja, tinha conquistado fama e dinheiro, podia se dar ao luxo de ficar um bom tempo sem trabalhar. Muitos atores fazem isto, já que quando estão trabalhando, fazendo filmes, ganham milhões de dólares.
Com ele, também, apesar de convites para filmar, a situação era esta. Estava apático, desinteressado. Era o ano de 1993.
Os produtores insistiram tanto, que por último, para lhe convencer, indicaram o parceiro no filme: seria Richard Prior, comediante igual ele, embora fosse americano. 
Como Wilder era amigo do Richard Prior, disse que ia pensar. Mesmo assim estava difícil ele aceitar fazer o filme. Por último os produtores lhe indicaram uma Assessora ,já que ele teria de saber tudo sobre os surdos e os cegos. E aí apareceu  Karen Webb, que era especialista no assunto. Com ela Wilder aprendeu os truques e como agiria fazendo "papel" de surdo.Enfim, fez o filme com o Richard Prior(este era o cego da estória) e este filme foi um sucesso ,no cinema e ainda hoje passa sempre na televisão.
 Ele relembra que teve seu primeiro encontro com ela (Karen),fora das obrigações profissionais, num restaurante italiano. Ele se lembra até da quantidade de mesas do restaurante...eram onze mesas.
Após passados uns meses depois ,ele pediu Karen em casamento, e salvo engano de minha parte, estão casados até hoje.
Conto esta história verídica para dizer que a vida é assim mesmo. Há sempre uma "mãozinha" do Destino, quando é para unir pessoas. Há casos quase impossíveis de se acreditar.
Tive uma colega de Faculdade, e que era professora,  e que namorou um homem por 16 anos. Ele era tão ciumento, que mesmo já bem "maduro",ou seja,bem mais velho que ela, ,resolveu ir para a mesma faculdade, para  a"vigiar".
 Eu o conheci pessoalmente. Ficaram noivos, mas nada de casamento.Segundo ela me dissera, ele dava a desculpa de que "cuidava" da mãe. Era um legítimo filho da mãe, dissera ela depois.
 Nos formamos, e a via sempre até uns cinco anos depois. E nada de casamento. Ela já passara dos trinta e cinco, quando foi tirar umas férias na Bahia. Conheceu um médico divorciado, namoraram e casaram-se...  E estão casados até hoje. 
-Isto eu ouvi dela mesma . Não citei o seu nome aqui, porque não fui autorizado para tal. Mas acreditem, a história é verdadeira. Ela estudou Direito comigo, na mesma sala da faculdade. Fizemos muitos "trabalhos" escolares juntos. Tenho fotos da nossa formatura, "tirada" junto com ela, que guardo até hoje.
Conheci uma outra moça, no local de trabalho, já depois de formado . Ela me dizia que era fã de um Padre tal, da Igreja tal. Eu lhe disse que os padres são "casados" com a Igreja. São celibatários, ou seja, não podem se casar. Ela me disse :
"Mas os Padres são homens também" !... E Continuava a ir na tal igreja.  Disse-me "que ia  por causa do Padre".
Depois que saí da firma, só encontrei com ela dois anos depois ...E soube que ela,por fim, se  casara com o tal padre. Obviamente  que ele abandonou a Batina, pois a Igreja Católica não permite padres casados para ministrar os "Sacramentos". Vivem juntos até hoje. Não sei se tiveram filhos...
Em outro caso, uma conhecida, irmã de um colega antigo, dos tempos do Exército, estava ficando "coroa", (trinta e dois anos),solitária, triste. Assim ficam algumas mulheres que são sozinhas. Não todas.  As suas parentes, primas e irmãs tinham se "arranjado" na vida, menos ela. Ela não mais pretendia se casar. Ou pretendia, mas achava que não tinha sorte para tal...Achava  bom ser a "titia", e vivia a brincar com os filhos das irmãs e das amigas. Comprava presentes para eles. Mas ,no fundo sabia que não eram seus filhos.E isso lhe entristecia. 
Certa vez ela me disse :
 -"Quem tem filhos tem vida...quem não tem filhos não tem vida ". Falou assim, com certa amargura na voz. E ela era bem bonita.Mas,triste ... Solitária !
Como ela tinha de sobreviver , trabalhava com uma "banquinha" de "bugingangas" perto do comércio formal, no centro da cidade. Era uma espécie de camelô, se podemos assim chamar. Tinha curso superior, mas o trabalho que tinha era este. Às vezes,me dizia ela: " que se sentia envergonhada".
-Mas todo trabalho é digno, eu lhe dizia...
 Um belo dia, um cidadão italiano, de uns 40 anos de idade, viúvo, empresário e que estava em nossa cidade para investir em uma outra empresa, passando por ali, na rua onde ela estava vendendo suas mercadorias, começou a conversar com ela,perguntou-lhe alguma coisa, apesar do sotaque dele, e ela, embora sem conhecer bem o idioma italiano, se "entendeu" muito bem com ele. Saíram juntos e foram a restaurantes,cinemas,etc. E em uma semana, ele conheceu a família dela. 
E apenas seis meses depois, ele veio ao Brasil, para se casar com ela. Já são passados uns vinte anos, e hoje têm filhos para dar-lhes alegria. 
-Atualmente ela mora na Itália .... Foi o que fiquei sabendo!
Entre outras histórias, tenho a minha própria. Em 1983, após perder meu irmão em um acidente, eu estava triste, desanimado. Inclusive da profissão para qual me formara. Eu já tivera um ano anterior de muitas dificuldades ,mas este ano de 1983,foi terrível..
-Problemas de todo tipo me apareceram.
 E veio o ano de 1984. Neste ano, entre agosto e setembro, depois de muita incerteza profissional,fui passear no Nordeste a convite de um amigo,quase parente...Ele ia com sua esposa, com seu pai e uma sobrinha.Todos conhecidos meus. Foi uma viagem de descanso, por assim dizer, pois há muito tempo eu não tirava férias. Nesta viagem fiquei 22 dias ininterruptos,viajando, passeando, entre os Estados de Ceará e Pernambuco(minha terra natal).
 Lá até apareceu umas moças "interessadas" em mim .Um parente meu dissera a elas que eu tinha ido ali para encontrar "alguém" para casar. Não era bem isso.Eu estava passeando mesmo. Embora  eu  me sentisse solitário.
-E, nesta viagem, não aconteceu nada demais. Na verdade voltei às minhas origens, inclusive onde morei antes , para descansar, passear mesmo,rever pessoas conhecidas. 
Quando voltei à Goiânia, tudo estava indo errado, e nem sei porque direito pensei em mudar de local de trabalho. Eu que sempre trabalhara no centro, fui convidado por um colega de profissão para trabalhar com ele, num bairro de Goiânia, GO (Campinas). Num escritório bem mais simples do que o escritório onde trabalhara antes.
Nesse tempo eu já estava me acostumando a viver sozinho. Me dedicava só ao trabalho. Era eu e minha mãe em casa. Já se passara sete ou oito anos desde a última namorada firme que tivera.  E  às vezes, ou muitas vezes, saía com amigas,ex- colegas de faculdade, vizinhas,etc.  
-Mas não eram namoradas.   
Porém, no novo local de trabalho, no  Escritório ao lado, onde funcionava  uma Gravadora de Discos (vinil) cujo nome de fantasia era "Sinfonia", trabalhava uma moça jovem, morena. E conversa vai, conversa vem,começamos um namoro. E assim, quase "sem querer, querendo",  conheceria  a minha "cara metade".
Ela era a Secretária desta Gravadora, tinha 21 anos de idade. E essa morena chamada  "Eunice" se interessou" por mim. Foi muito bom este período de minha vida. Muitos passeios, muito "romance" entre nós...
-Tudo mudou...
-Muito desejo e muita paixão também!
Foi em dezembro de 1984. Nós conversávamos bastante . Ficamos amigos, primeiro e depois de uns três meses, "oficializamos" o namoro. Foi no dia 31 de março de 1985, dia em  que vimos o filme "O Exterminador do Futuro" (o primeiro da série),no Cine Capri, no centro de Goiânia, GO.
-Esse  Cinema nem existe mais..
-Não dá para esquecer!
E o primeiro encontro que ela teve com minha família foi em 27 de abril de 1985, quando celebrávamos a missa de 2º ano da morte de meu irmão Jorge. Ela, que é Evangélica, mesmo assim quis ir até a Igreja Católica , onde seria realizada a missa que "encomendamos". Então ela conheceu parte da minha família.
 Inicialmente, descobrimos que nada tínhamos em comum. Tínhamos gostos, manias e opiniões bem diferentes.  Origens diferentes , religião diferente, interesses diferentes. 
Ou seja, nada em comum, a não ser a paixão que surgiu.  Dois anos depois, em 27 de março de 1987, nos casamos e estamos juntos até hoje. E continuamos não ter "muito em comum" até hoje...
Mas nos respeitamos muito, cada um com seus gostos e trabalhos bem diferentes. E estamos "trabalhando" muito para honrar um ao outro,que é mais importante do que respeitar...
 Nossa vida,obviamente, não é um "mar- de- rosas".  Mas, foi com essa "mãozinha " do destino que nos conhecemos. Temos três filhos, e enfrentamos as belezas e as  dificuldades da vida juntos.
- Valeu a pena... Sempre "vale a pena, se a alma não é pequena"...
Não sei se o destino "bateu" à minha porta ou fui eu ao encontro dele...
-Seria fatalidade, como disse o Gene Wilder ?
 Ele fala em seu texto que se tornou um "fatalista."
O que sei é que há sempre uma "força estranha", ou uma mão desconhecida (Destino ?) a nos empurrar, ou que concorre  para mudar as nossas vidas.
Tal qual  o Gene Wilder, devemos sentir quando o destino bate à nossa porta. 
-Pode ser  a tal Felicidade...
Eu poderia dizer :
-"É claro que o amor não é tudo, mas por ele, eu seria capaz de escrever um poema qualquer de doze horas"
Logo eu, que pensava em ser poeta, ou escritor, desde os bancos do 2º Grau...
O que sei é que a pessoa apaixonada, fica contente, sorri fácil e é capaz até de tomar banho com a roupa que está vestida.
Vê a lua brilhar no meio dia e sonha com as estrelas...
-Seria isto a  tal felicidade ?
 Ou a felicidade "é uma hora feliz, sempre adiada, e que nunca chega nunca em toda vida", como disse o Poeta?
 Há casos em que os(as) apaixonados (as) dormem até debaixo da cama... 
Mesmo que seja passageira, a felicidade aparece de vez em quando em nossas vidas, mesmo que em "pequenas gotas"...
Creio que não é possível, nesta vida terrena,uma felicidade plena, completa, diária, ano após ano. Mas há,por certo, bons momentos na vida..
-Haveria apenas momentos felizes?
O que sei é que os apaixonados sempre são pessoas alegres, "que se pegam cantando,sem mais nem porque..."
Ou sai por aí assobiando e cantando na chuva  dizendo assim : "I'm happy again...I'm happy and sing in the rain" ,tal qual Gene Kelly naquele antigo filme "Cantando na Chuva".

A.G.  -Reedição 28/03/2016.

quarta-feira, 23 de março de 2016

"A Paixão de Jesus Cristo Segundo São Mateus" -Compositor : J S Bach - Obra Completa-Legendado em Português.

JESUS, SEGUNDO AS PALAVRAS DE BARRABÁS !

"Soltaram-me e escolheram-No. Depois, Ele subiu e eu caí. E fizeram Dele uma vítima e um sacrifício para a Páscoa. Fui libertado de minhas correntes,e caminhei com a multidão,atrás Dele,mas eu era um homem vivo,seguindo para minha própria sepultura.
Eu devia ter fugido para o deserto,onde a vergonha é calcinada pelo sol.
Entretanto,caminhei com aqueles que O tinham escolhido para carregar meu crime.
Quando O pregaram em Sua cruz,eu estava lá.
Via e ouvia,mas parecia-me que eu estava fora do meu próprio corpo.
O ladrão que crucificaram à Sua direita disse-lhe : "Estás sangrando comigo,mesmo Tu, Jesus de Nazaré ?"
E Jesus respondeu e disse : "Não fosse por este prego que segura minha mão,eu me estenderia e apertaria tua mão".
"Fomos crucificados juntos.Oxalá tivessem erguido tua cruz mais perto da minha"
-Disse Jesus.
Depois olhou para baixo e fitou Sua mãe e um jovem que estava de pé ao lado dela.
E disse : "Mãe,olha teu filho de pé ao teu lado".
"Mulher,olha um homem que levará estas gotas do meu sangue ao País do Norte"
E quando ouviu as lamentações das mulheres da Galileia,  Jesus disse : 
"Vede, elas choram e eu tenho sede"
"Estou preso alto demais para alcançar suas lágrimas"
"Não tomarei vinagre e fel para aplacar esta sede"
Depois,Seus olhos se abriram largamente para o céu, e Ele disse :" Pai,por quê nos abandonastes?"
E depois disse com Compaixão: " Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem"
Quando Jesus pronunciou estas palavras, pareceu-me ver todos os homens prostrados diante de Deus,implorando perdão pela crucificação deste único homem.
Depois Ele disse novamente em voz alta : "Pai, em Tuas mãos entrego o meu espírito!"
E por fim,ergueu a cabeça e disse: " Agora tudo está terminado,mas apenas sobre este Monte"
E fechou os olhos.
Então relâmpagos rasgaram os céus escuros,e ouviu-se um grande trovão!....
...........................
Sei agora que aqueles que O mataram em meu lugar,provocaram meu tormento interminável.
Sua crucificação não durou mais do que uma hora.Mas, eu serei crucificado até o fim dos meus anos"..

(Palavras atribuídas a Barrabás,que foi solto no lugar de Jesus,e este crucificado)


TEXTO tirado do LIVRO:  "JESUS,O FILHO DO HOMEM" de autoria de GIBRAN KHALIL GIBRAN.,Tradução  de Mansour Challita. Edição de 1976-Associação Cultural Internacional Gibran.

Reedição/ Compilação : A.G.-23 de março de 2016.




segunda-feira, 21 de março de 2016

"TRISTEZA MAIOR" (Homenagem ao Dia da Poesia ).

A primeira tristeza,é o dia.
O homem torna-se escravo.

À noite, divaga,sonha e voa...

Para amanhecer de novo!

E num outro dia,

Igual a tantos outros,
Ele novamente sofre,voa e vive...

Até o dia feliz,

Que, talvez, nunca virá!...
..............................................................

A.L.G. - Reedição : 21 de março de 2016


(Este é um dos poucos poemas de minha autoria. Foi publicado há mais de 20 anos no Suplemento Cultural que circulava junto com o Jornal "O Popular" de Goiânia,GO, cujo Editor era o Escritor Goiano Miguel Jorge,do GEN-Grupo de Escritores Novos).

domingo, 20 de março de 2016

A VIDA DE JESUS : DO NASCIMENTO À CRUCIFICAÇÃO - VÍDEO NARRADO EM PORTUGUÊS .

LEMBRANÇAS DE UMA PÁSCOA

Hoje acordei sentimental,e me lembrei de uma Páscoa, quando eu ainda era bem pequeno e fui, exatamente na Sexta-Feira Santa, na Igreja Matriz de Campinas (bairro de Goiânia,GO), e pude ver,sem entender direito ainda, a celebração da "via sacra",feita dentro da Igreja mesmo, com as pessoas indo de "estação"em "estação" ,fazendo aquela peregrinação que foi percorrida por Cristo,na "Via Dolorosa" em Jerusalém. 
Minha mãe,religiosa e Católica que era, sabia as orações todas, até em latim,que tinha aprendido nos livrinhos da Igreja, e pela prática, de tanto ir nas missas. Ela nunca estudou na escola formal,mas era inteligente e sabia ler,o que fez sempre até seus  últimos dias de vida.
E eu,sem entender direito,pois tinha uns nove anos de idade, via aquelas figuras da Igreja,nos quadros,representando o Calvário de Cristo. Era tudo muito simbólico para mim. Mas eu não tinha tristeza... E achava bonito os cânticos das mulheres com véu na cabeça... A Igreja era perfumada, para mim, e havia um som de música gregoriana no ambiente,que nunca me esqueci.
E me lembro que,na volta,antes de irmos para casa,passamos em frente a um cinema, (Cine Eldorado) e entramos. 
-Estava passando o filme " O Mártir do Calvário", que era a dramatização perfeita de todos aqueles acontecimentos que culminam com a Crucificação de Cristo. Eu não sabia ler direito e não conseguia acompanhar as legendas do filme. Não era um filme dublado e por isso, me contentava em acompanhar as imagens e seguir a história,cujo final todos conhecem.
 Interessante isso: O Artista (JESUS) morre no final,mas ninguém fica muito triste,pois sabemos que há a ressurreição. E a maioria dos filmes mostra isto,pois esta foi a verdade que aconteceu: Jesus,  o Cristo,RESSUCITOU !
- ELE VENCEU A MORTE !
Nunca me esqueci deste primeiro filme que assisti com a minha mãe. Mas, depois, fomos assistir outros,religiosos,ou não.
Aliás,nunca me esqueço de minha mãe, e hoje mesmo chorei ao ouvir o Cantor Luciano Pavarotti cantando a Ave Maria, de Shubert. Além de ser a "Ave Maria" a oração preferida dela, o semblante do Pavarotti, seus olhos e sobrancelhas, se assemelhavam muito aos da minha mãe.
Sempre que ouço o Pavarotti, lembro dela,e invariavelmente,choro.
E me lembrei também que nesta mesma Páscoa,quando eu ainda morava na Cidade Jardim, em seguida ao sábado dito de aleluia,no Domingo, minha mãe me levou na Igreja de novo, e ao chegarmos em casa o meu pai estava "organizando" o bacalhau norueguês,aquele,que vinham em caixas de madeira. Era o prato principal  para o almoço, e meu pai já tinha comprado o leite de coco, o azeite e os condimentos do tempero, etc. 
Só que, quem cozinhava mesmo era minha mãe.  
Meu pai gostava de ouvir rádio e nele, ouvia as pregações religiosas da Rádio Difusora de Goiânia.
Ele não costumava ir na Igreja,mas gostava de ouvir a dramatização da Páscoa no rádio, pois não tínhamos TV nesta época. E ficava ,junto com nós, à espera do almoço de páscoa. 
Com vinho e tudo mais.
Mas ele não cozinhava. Esperava minha mãe fazer a comida, gostosa como sempre. No Domingo de Páscoa, o almoço demorava mesmo. Saía lá pelas 13:00 /14:00 horas.
-Mas valia a pena esperar ! Lembro tanto disso que quase sinto o cheiro da comida !!!
E hoje cedo, assim que ouvi esta música cristã,com todo o simbolismo que ela tem e me lembrando da cena do filme em que Jesus é descido da cruz,todo ensanguentado e  abraçado por sua mãe Maria, não pude me conter...

-As lágrimas vieram ! 
E então, lembrei-me de vários momentos que passei com minha mãe, e destas Páscoas passadas,enquanto ela era viva.
Hoje,mesmo tendo a minha família ao meu lado, e também o  vinho e  o bacalhau no almoço, a Páscoa não é a mesma coisa... 
-Não é igual...
-Pois ela, a minha mãe, não mais está entre nós !


A.G.-  20 de março de 2016

 P.S. -À memória de minha mãe, Ana Herculana de Sales, a mulher que realmente gostou de mim, desde que nasci! 
-E deve continuar gostando,pois,embora já tenha partido para a Pátria Espiritual, nosso laços são eternos !



sábado, 12 de março de 2016

Cenas do Filme : "A felicidade não se compra"-Filme Original em Preto e Branco.

CLÁSSICOS DO CINEMA : " A Felicidade Não Se Compra " - De Frank Capra. Comentários .

Neste filme,ainda em preto e branco,lançado no ano de 1946 nos E.U.A (USA) ,o Diretor Frank Capra traz uma história simples,de pessoas de vida comum numa média cidade,elementos de valor espiritual e religioso,e até sobrenatural,para contar a história de um homem com problemas financeiros que pretende se suicidar às vésperas do Natal.
O personagem principal (George Bailey) vivido pelo excelente ator JAMES STEWART, com a morte de seu pai, assume os negócios da família,na cidade de Bedford Falls. Porém sua vida e os negócios não vão bem e ele pensa em se matar. 
É ai que a parece o seu "anjo da guarda",obviamente materializado no personagem feito pelo ator Henry Travers, que tem como objetivo fazê-lo desistir dessa ideia de morrer,mostrando ao mesmo os valores da vida, e até mesmo a importância da vida de Bailey para sua família e para a sociedade local.
Este anjo o leva a fazer um balanço de sua existência naquele local e tudo o que já fizera antes,para que,conhecendo suas virtudes e sua importância como ser humano,desista da ideia do suicídio.  O objetivo do Diretor Frank Capra era exatamente esta: tocar o coração dos espectadores, analisando as virtudes morais e desenvolvendo uma análise da vida do personagem,quase que como num divã, para mostrar os valores de uma vida dedicada do personagem, à cidade e á família. 
É um filme de época de Natal,com todos os ingredientes que muitos outros filmes têm. Só que este tocou os cinéfilos da época, e até os atuais, que o consideram como um dos melhores filmes de todos os tempos. Já teve refilmagens e até outros filmes bem  parecidos, como o da  Série de TV " Que o Céu Espere".
James Stewart faz o papel principal e Donna Reed é sua companheira ,neste filme famoso que ganhou o Oscar de melhor diretor,para Frank Capra. Bem merecido,por sinal.  
James Stewart foi indicado para melhor ator,mas não ganhou. 
O filme é de 1946 e foi lançado mundialmente em 1947, caindo no gosto dos telespectadores de todo o mundo. E  até hoje é um filme visto e admirado por muitos. É um dos muitos filmes antigos que sempre é exibido no Cine Cult, na TV a cabo
O Roteiro do filme foi baseado num conto de  Philip Van Doren Stern,de nome " The Greatest Gift ".
..............................

Copyright (c)-Compilação dos dados e texto original de Antônio  Gomes.
Reedição : 12 de março de 2016.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Schindler's List (1993 )-Trailer Oficial- Liam Neeson, Steven Spielberg..

Comentários ao Filme " A Lista de Schindler "

Se tem um filme que marca de verdade a pessoa que o assiste ,este é a "LISTA DE SCHINDLER", de Steven Spielberg.
Produzido entre 1991/1992 e lançado no cinema em 1993,este filme fantástico,que teve como base o livro "Schindler Ark" do Escritor Thomas Keneally, retrata uma epopeia de guerra jamais vista no cinema,pois mostra a abnegação real e a atitude humana de um rico industrial nascido na região da antiga Checoslováquia, católico e mundano em sua vida diária,mas que se dispôs a ajudar e a salvar vidas, em plena época da 2ª Guerra Mundial.
O filme foi filmado em locações e cenários reais na Polônia, e tem no seu elenco o famoso ator irlandês Lian Neeson, e o Inglês Ralph Fiennes ( O Paciente Inglês).Além do impagável  Ben Kingsley (Ghandi), no papel do contador e fiel escudeiro de Schindler, naquela situação de guerra.
Oscar Schindler não era um estadistas nem ministro,nem político. Era um industrial rico,dono de uma fábrica de munição e ligado ao Partido Nacional Socialista (Nazista), que se aproveitou da guerra para ganhar dinheiro,trabalhando para os alemães, que tinham invadido a região da Polônia. 
Para lá ele foi exatamente para poder negociar com os Alemães. E fazer farras com eles também,como era comum entre estes terríveis dominadores nazistas,na época da guerra.
Ele, mesmo aliado as alemães invasores,pôde ver todo o sofrimento do povo judeu ,polonês ou não, que estavam sob o jugo dos sanguinários nazistas a serviço do famigerado Adolf Hitler. 
E nesta sua "empreitada" arriscou sua própria vida e sua fortuna,e ajudou a salvar mais de mil desses judeus presos a saírem dos guetos e e escaparem das câmaras de gás. 
Além disso,justificando que precisava de empregados para fabricar mais munições para os próprios alemães,empregou todos estes sofredores em sua Fábrica.
Este é o resumo simples e prático para se entender este filme que dura 185 minutos de pura emoção. E é uma lição de como se fazer cinema, mesmo em preto e branco,como é este longa-metragem,que deu o Oscar de melhor Diretor ao famoso cineasta americano Steven Spielberg. E ganhou outros prêmios da Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood,incluindo-se ai os Oscars de melhor filme, melhor fotografia,melhor roteiro, melhor música,e direção de artes,entre outros.
A premiação do Oscar foi realizada em 1994,em Los Angeles,E.U.A. (U.S.A.).
O filme tem um momento realmente singelo,no qual o personagem Schindler ,entre todos os horrores da Guerra,tudo em preto e branco,vê uma menininha correndo em meio aos militares, e somente ela,em todo filme,aparece em cores. É uma cena ímpar que fica na memória de todos que virem este belo filme de guerra. 
Sem contar que no final,os sobreviventes desse holocausto,cuja história real é contada no filme,aparecem colocando pedras no túmulo de Oskar Schindler (que foi enterrado em um Cemitério Israelita), e o fazem em sinal de agradecimento...
Quem,entre os que viram o filme,não se emociona até as lágrimas,ao verem o personagem Oskar Schindler (magistralmente interpretado por Lian Neeson) chorando e se lamentando ao dizer que poderia ter salvo muito mais vidas..

Compilação dos Dados e Texto Original : Antônio Gomes
Edição:  em  07 de março de 2016.