sábado, 20 de agosto de 2016

" LITERATURA DE CORDEL"- Uma Forma de Cultura Popular Nordestina Com Raízes em Portugal .

A Chamada "Literatura de Cordel" é uma espécie de poesia popular utilizada para contar estórias e reproduzir fatos acontecidos,muitas vezes de forma rimada e sempre em estrofes de versos normalmente em sequência, cujos textos são impressos, em folhetos pequenos,ilustrados com processo de "xilogravura". Muitas vezes se utilizam ,também,  de desenhos e clichês zincografados,num processo bem artesanal.
Este tipo de produção e divulgação literária ganhou este nome ainda em Portugal,onde se originou,pois tais folhetos eram expostos nas bancas das feiras, ou simplesmente nas bancas que ficavam expostas nas ruas, com os folhetos amarrados ou pendurados em cordões. 
Tal forma de literatura chegou ao Brasil no século XVIII,obviamente através dos Portugueses que vieram para cá,principalmente os que se radicaram na Região Nordeste . Ainda nos dias de hoje podemos encontrar esta forma de literatura popular sendo vendida nas feiras no Nordeste, principalmente em Pernambuco,Ceará,Alagoas Bahia e Paraíba. 
 São vendidos estes livrinhos, tanto pendurados nos cordões(daí o nome Cordel),ou simplesmente em cima de malas e nas lonas estendidas no chão mesmo.O importante é expor o material e tentar vendê-lo. Nesta "propaganda" ao vivo , tanto os vendedores comuns, como até mesmo os autores ou repentistas,cantam ou lêem os versos contidos no "livrinho".
De custo muito baixo,estes pequenos livros são vendidos ,muitas vezes,pelos próprios autores,que os confecciona em casa mesmo,de forma bem rústica. Mas esse é o "charme" do livrinho de cordel...
E o  cordel ,no qual  se penduram os livretos ,é um cordão comum,ou barbante,como se chama em alguns locais.
Muitas destas histórias contidas nos livretos,ou folhetos de cordel, retratam fatos do cotidiano,ou fatos passados, casos ocorridos na região,do presente e do passado,sempre narrados de forma engraçada e com o "linguajar" regional do Nordeste.
 Os títulos são diversos e entre os mais conhecidos dos antigos temos : "A Entrada de Lampião no Céu"; "Alzira -A  Morta  Virgem"; " A Chegada de Lampião no Inferno";  "Encontro de Lampião com Dioguinho" ;" As Aventuras de Pedro Malazarte" ; " Estórias de Trancoso"; " O Pavão Misterioso" ; "As Aventuras de Cancão de Fogo"'; " O Coronel e o Lobisomen " (este ,um resumo do Livro famoso do  Escritor José Cândido de Carvalho), entre muitos outros.
Recentemente  (2011) a  TV Globo exibiu uma novela, às 6:00 da tarde,chamada de "Cordel Encantado",que embora não tivesse uma estória toda fundada no Cordel, trazia alguma coisa deste tipo de literatura e na sua abertura trazia uma capa típica de um folheto de Literatura de Cordel.
Os principais assuntos retratados nos livretos são : festas,política,secas,disputas,brigas,milagres,vida dos cangaceiros,atos de heroísmo, morte de personalidades, charges com políticos ,etc.
Ainda hoje,nas feiras, em algumas situações,estes poemas contidos na Literatura de Cordel são acompanhados de violas, e recitados pelos violeiros ou repentistas, em praças públicas,com a presença de público,das pessoas que estão nas feiras,nas ruas,e que param para ouvir,apreciar e comprar.
Entre os poetas de Literatura de Cordel,  o que fez mais sucesso até hoje chamava-se Leandro Gomes de Barros,que viveu entre 1865 a 1918.  Entre os mais recentes podemos citar,entre outros : José Alves Sobrinho;Homero do Rego Barros; Patativa do Assaré,que era o pseudônimo de Antônio Gonçalves da Silva; Téo Azevedo; Zé Melancia; Zé Vicente ; José Pacheco  da Rosa; Gonçalo Ferreira da Silva; Rodolfo Coelho Cavalcante; Francisco Gomes de Paiva Silva(Chico Gomes) : Chico Traira; João de Cristo Rei e Ignácio da Catingueira,...
- Mas há  muitos outros,não tão conhecidos hoje em dia.. .
Muitos escritores brasileiros, nordestinos ou não, que ficaram conhecidos,foram influenciados pela literatura de Cordel. Dentre eles podemos citar :  Ascenso Ferreira; João Cabral de Melo Neto; Ariano Suassuna:;José Lins do Rego e Guimarães Rosa.
A "Poética" do Cordel era e ainda é, formada sempre de :
"Quadra" ,que são estrofes de quatro versos;
"Sextilha" , que são estrofes de seis versos;
"Septilha",que seria a mais rara de todas,pois é formada por sete versos;
"Oitava", formada por estrofes de oito versos;
"Quadrão". Neste caso,os três primeiros versos rimam entre si, e o quarto com o oitavo, o sexto com o sétimo,também entre si;
"Décima", que é forma por estrofes de dez versos;
E finalmente, o  "Martelo",que estrofes formadas por decassílabos(comuns em desafios,emboladas,repentes e versos heróicos).
Ressalto aqui que,como originário do nordeste que sou,assim que vim morar em Goiânia,Goiás, e por ordem de meu pai, que era feirante,passei a vender estes folhetos de literatura de cordel e outros com letras de músicas sertanejas, na feira, principalmente na feira do bairro chamado Vila Nova,de Goiânia,para onde vieram morar muitos nordestinos.
- Me lembro até que a maioria destes livrinhos eram da Editora do José Louzeiro , outros da editora Prelúdio.....
Ainda tenho alguns remanescentes aqui em casa!!!
Nesta época eu tinha entre 09 e 11 anos de idade.
.................................................................................
Pesquisa, Compilação e Texto:  A.G. Reedição : 20 de agosto de 2016