sexta-feira, 4 de agosto de 2017

HOMENAGEM AO MEU PAI


Meu pai (foto) partiu antes do combinado, quando eu ainda era bem jovem e tinha acabado de passar no vestibular para o curso  de Direito na U.F.G. E quando eu ia começar o segundo semestre do curso, exatamente no dia 04 de agosto, foi o dia em que ele faleceu.
E foi por esse e  por outros motivos que não pude estudar desta vez, já que no sistema de créditos que vigorava na época,eu teria de estudar cedo e à tarde, sem tempo para trabalhar. E eu não podia ficar só estudando. 
Além disso, com a morte de meu pai, a situação mudou. E para minha família era mais importante eu trabalhar do que ficar só estudando.  
Assim, dei um tempo...
Um ano depois,fiz outro vestibular ,passei e pude estudar o mesmo Curso de Direito  numa Universidade particular, à noite, podendo conciliar os estudos com o trabalho diário... 
-Mas esta é uma outra estória.
Quando falo de meu pai,estou falando de Manoel Luiz Gomes,que nasceu na cidade de São Bento do Una, no Estado de Pernambuco,Brasil,num dia 16 de dezembro conforme consta de sua Carteira de Motorista,que guardo comigo até hoje.
Ele era filho de José Luiz Gomes e de Generosa Joaquina do Espírito Santo, que eram filhos de portugueses que para aqui vieram no final do século 19.
-Isto conforme ele mesmo me disse,quando  ainda era vivo. Segundo ele,seus pais  vieram da Região do Algarve,Portugal.
E era verdade esta sua informação, pois, sabedor disso, depois pesquisei o ramo original da família e realmente descendiam dos Portugueses,sendo o meu avô da família Luiz Gomes de lá da " boa terrinha". E a minha avó, obviamente descendente da família Espírito Santo,de Portugal.
Depois eu soube,também,que tenho xarás, de origens portuguesas que são homônimos.
Outros Antônios ,alguns brasileiros, outros portugueses, com o mesmo sobrenome,mas que não são meus parentes.
Inclusive um que foi jurista e político e que foi homenageado com o nome de uma Rua,na Cidade de Porto ,Portugal.
E há outros "Manoéis" por ai, jovens,velhos ou até mesmo falecidos,como ele. 
E pode ser até  que alguns destes podem ser brasileiros, pernambucanos ou não, mas só o da foto acima é o meu pai.
Depois,quando morávamos na Cidade de Vitória da Conquista,na Bahia,meu pai foi sócio de um tio meu em uma loja, cujo nome era "A LUSITÂNIA", o que explica bem sua origem. Acho que de meu tio também,mas este era irmão de minha mãe.
Não tive a sorte de conviver muito com ele,pois ele "partiu muito antes do combinado",ou seja,deixou este mundo dos vivos, como já citei, antes de completar 56 anos de idade.
Quando ele faleceu,  já morávamos em Goiânia,GO.
Ele queria, ou pelo menos desejava, que eu fosse militar,pois achava bonito me ver de verde oliva, com farda (uniforme), quando eu estava no Exército, mas foi só esse o meu tempo de "caserna".
No entanto eu, que inicialmente,pensava em ser médico, segui outro rumo e me formei em Direito.
Infelizmente ele não pôde me ver formado, ou conhecer meus três filhos,sendo que a minha filha Ana Luíza também se formou em Direito. Já minha outra filha, a Débora, já terminou o curso de Direito em 2015.
O meu filho mais novo, o Luis Antônio, já terminou o 2º grau. Porém gosta mesmo é da área de computação e trabalha neste ramo de atividade.
Eu vivi com meu pai o tempo suficiente para aprender muitas coisas,de profissões e da vida. Ele era multiprofissional .
Na época das "vacas gordas", meu pai foi comerciante, fazendeiro e festeiro. Na época das "vacas magras" foi vendedor , carpinteiro, ourives, pedreiro,sapateiro e feirante,sendo que trabalhou também como motorista e conhecia muito de eletricidade.
Construiu casas,fazendo ele mesmo muitos desses serviços,nos quais o ajudei quando ainda era menino e até a adolescência. Ele defendia a ideia de que um homem tem que possuir uma casa. Entretanto vendeu quase todas que fez. Mas, ao morrer, deixou uma para a gente morar.
-Ou melhor,quando partiu para a "pátria espiritual".
Não nos deixou muitos bens, mas deixou exemplos de honestidade e dignidade.Não deixou dívidas para que pagássemos. Era um homem sério, e às vezes, engraçado. Era amigo dos amigos.Fez muitas amizades em Goiânia,inclusive com sírios e libaneses,que trabalhavam na feira. 
Ele se dava bem com outros comerciantes, fossem eles, goianos,baianos, pernambucanos, italianos ou portugueses,e estes eram seus maiores amigos por perto, os vizinhos  do comércio que possuiu em Campinas (Bairro de Goiânia,GO),no início dos anos 60' e 70'
 Era muito simpático com seus olhos azuis. Gostava de contar piadas de português... Nestas, nem sempre os patrícios se "saíam bem".
Meu pai me disse uma vez para não confiar muito nos políticos,nos pastores, nas prostitutas,e na polícia.
-E evitar amizades maiores  com eles.
 - Por quê será que ele pensava assim ?
Ele não frequentou as  escolas formais, mas era sábio. Tinha inteligência e conhecimentos diversos sobre muitas coisas, inclusive sobre música, história,comércio,e pessoas.
Não gostava de Religião e nem de casamento,tanto que morreu solteiro: Nunca se casou com minha mãe,mas viveu 35 anos com ela.
E foi de sua união com ela que nossa família cresceu, e hoje já há netos e até bisnetos deles espalhados, inclusive morando fora do Brasil.
E até com sobrenomes diferentes, devido ao casamento de uma irmã e uma sobrinha minha com pessoas de origem da Lituânia e da Itália .Dai vieram os sobrenomes Ivanovas e Mancini, que entraram na família. Há uma bisneta dele morando na Bélgica (Maynara Gomes,filha do Renato). Há também outros descendentes dele em outras cidades do Brasil ,tais como o Renato e a filhinha Victória, em Catalão. E os filhos da Nita, em número de cinco(Beth,Rafael,Elenice,Maurício e Luiz Eduardo) e até um bisneto, chamado Henrique (filho da Beth), que moram em Guarulhos,São Paulo. E o Dennys Ivanovas que é da terceira geração,filho da Lilian,que está no quarto ano de medicina. A família aumentou muito, e continua aumentando,tanto que no ano de 2014 uma sobrinha minha (Sandra) teve as gêmeas Heloísa e Bárbara.
Assim,lembrando dele, neste dia, estou aqui prestando esta homenagem a quem me orientou nos primeiros passos e me ensinou os princípios básicos da vida.
Ele era um "general" quando precisava e era tranquilo e brincalhão,quando queria. Seu "hobby" era pescar e caçar . Mas sabia bem a importância do trabalho para o homem. E era enérgico com o comportamento dos filhos. Sério mesmo !
 Devia ser assim com todos os pais em relação aos filhos. Alguns pais deixam a desejar...
Porém,muitos pais realizam esta tarefa muito bem. Parabéns para estes!
O meu pai cumpriu a sua "tarefa" enquanto esteve aqui na terra.
Que a sua alma esteja bem, onde ela estiver...
.........................

Antonio Gomes - (Reedição) 04 de agosto de 2017.