quinta-feira, 4 de maio de 2017

LUIS DE CAMÕES E SUA OBRA MAIOR : " OS LUSÍADAS" -( Comentários).

O Escritor Português Luis Vaz de Camões nasceu em 1524. Muito pouco se conhece sobre sua vida pessoal. Segundo a maioria dos historiadores ele nasceu em Lisboa,Portugal. 
Como a maioria dos jovens de família de classe média portuguesa na época (Pequena Nobreza,eles dizem) ele recebeu uma educação clássica,aprendendo latim,história e literatura clássica.
Camões é classificado pelos historiadores como um poeta - soldado,atividades não compatíveis,mas que se justifica,pela vida sofrida que teve Camões em sua trajetória em batalhas ao lado de tropas portuguesas que se enveredavam pela África e Oriente em busca de conquista de territórios.
Escreveu vários poemas,poesias e obras para teatro.
Dizem que ele chegou a frequentar a importante Universidade de Coimbra, em Lisboa,mas isto não está bem documentado. O que se sabe é que ele chegou a frequentar a Côrte de D.João III.
Após iniciar sua carreira como poeta lírico,e nas horas vagas se envolver com as damas da nobreza e também com mulheres simples,(que para a Côrte eram chamadas de plebeias),Camões passou a levar uma vida boêmia, desregrada, até então.
Segundo narra uma de suas biografias,por causa de um romance que não deu certo, (um amor não correspondido), ele foi para a África. 
Lá auto-alistou-se e lutou em batalhas,perdendo um de seus olhos,daí a figura dele chegar até nós sempre com um tapa-olho.
De natureza um pouco colérica,ao voltar da África envolveu-se numa briga e feriu uma pessoa que era um dos serviçais do Palácio. Não chegou a ser punido por isso.
Perdoado por este ato,depois foi para o Oriente,passando lá vários anos.
Neste período lutou ao lado de forças portuguesas e chegou a ser preso várias vezes. Foi nesta época que escreveu sua maior obra literária,que chegou até os nossos dias : OS LUSÍADAS.
Com esta obra escrita,voltou a Portugal,onde conseguiu publicá-la e ter as benesses da Côrte de D.Sebastião, o Rei. 
Conseguiu uma pensão mensal pelos serviços prestados à Coroa Portuguesa. Dava para ele se manter,mas,segundo dizem os historiadores, seus últimos dias de vida foram de grandes dificuldades financeiras. 
Morreu em 10 de junho de 1580,com 56 anos de idade.
Enquanto vivo Camões se queixava de não terem dado valor à sua Obra, suas poesias e rimas. Contudo,após sua morte,seus escritos começaram a ter admiradores em todo o mundo literário. 
Diziam os intelectuais "que sua obra era valiosa e de grande padrão estético "...
Ele foi um dos inovadores da Língua Portuguesa. Ele mesmo foi um dos mais fortes símbolos de identidade da Pátria Lusitana (palavra originária da própria obra Os Lusíadas),após sua obra ser reconhecida internacionalmente. 
Os Lusíadas,sua obra maior narra uma epopeia de viagens e conquistas do povo lusitano, toda rimada em versos,onde se encontra toda a beleza da Língua Portuguesa,de onde vem no nosso linguajar português-brasileiro,que muitos dizem ser um "linguajar Camoniônico"",evocando a figura ímpar de Luis Vaz de Camões.
São famosos os seus versos que ficaram conhecidos pela beleza,não só da rima,como também pela "construção" literária, motivo de várias declamações e evocações,não só pelos Portugueses,como também por todos os professores da língua mãe, em nossa literatura brasileira.
Sua obra principal "OS LUSÍADAS" é objeto de estudo de muitos críticos literários, e foi traduzida para vários idiomas de vários países,despertando o interesse de milhões de pessoas até nos nossos dias.

 Só para lembrar,um dos versos mais conhecido dos "Lusíadas":

  CANTO I

"As Armas e os Barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana

Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram,
Novo Reino que tanto sublimaram;"
...........................................................................
Este é apenas um dos versos da famosa obra de Luis Vaz de Camões,"Os Lusíadas",que recomendo a todos os meus seguidores-leitores.

Compilação/texto:
Reedição : Antonio L.Gomes- 04 de maio de 2017.