terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

SUPERMERCADO "CARREFOUR",FILIAL DE GOIÂNIA GO,DIFICULTA ENTRADA DE CADEIRANTES.



Há quatro anos atrás me mudei para um outro setor de Goiânia. E desde esta mesma época, por causa de um problema de saúde,dependo de uma cadeira de rodas para me locomover. E como tem uma filial deste grande Supermercado Carrefour próximo de onde moro,invariavelmente vou ao mesmo,tanto para fazer algumas compras,como para utilizar os caixas eletrônicos que lá existem. E também para pagar contas na Casa Lotérica, que funciona dentro do mesmo prédio do Carrefour. 
Eu e minha família temos até um “Cartão Carrefour” deste Supermercado, onde sempre fazemos nossas compras mensais. Ou seja, somos eu e minha família, fregueses assíduos do mesmo. Vou lá duas a três vezes por semana,no mínimo.
Muitas das vezes eu vou sozinho mesmo, me locomovendo em minha cadeira de rodas. E antes eu adentrava ao Supermercado por uma entrada específica ,que era destinada às pessoas em cadeiras de rodas, como eu.E também para que por ali pudessem entrar outros cadeirantes e algumas senhoras com carrinhos com crianças. E também para algumas pessoas passarem com carrinhos de compras ,para poder colocar estas compras nos seus carros,que estavam estacionados ao lado do Supermercado.
Esta entrada fica do lado direito,levando em conta que a frente do Carrefour é a Avenida T-9.Ela fica junto às grades que circundam este comércio,na Avenida Flemington. Avenida esta que em outros locais,seu prolongamento é denominado de Av. C-8. 
O Supermercado é conhecido como o "Carrefour Sudoeste",mas em documentos emitidos no mesmo consta como  situado na Vila Bela. São setores anexos,bem perto da Vila União, em Goiânia, GO. Esta entrada de acesso ao Supermercado fica bem ao lado da entrada de pedestres e da saída dos carros. Existe ainda o portão,mas este atualmente se encontra sempre fechado. E antes,nos meses de novembro de 2015 a janeiro de 2016,estava fechado até mesmo com corrente e cadeado.
Desde o começo do mês de novembro de 2015, o tal portão por onde eu e outras pessoas passavam, estragou e o Carrefour não arrumou. Passou a ficar sempre fechado.Isto fez com que as pessoas com deficiência,os idosos e demais cadeirantes não mais pudessem entrar por esta entrada.
Reclamei verbalmente com alguns funcionários,por duas vezes,mas estes ignoraram minhas reclamações.
Em meados de novembro de 2015 fiz uma reclamação diretamente ao Ministério Público de Goiás,cujo protocolo é de nº M.P. 2015 0045 1564 - através do Assessor da Dra. Promotora,da 39ª Promotoria, que trata dos Direitos dos Cidadãos. Fiz a reclamação por telefone,me identifiquei e inicialmente fui bem atendido. Segundo o assessor da Promotora, o MP enviou notificação ao Carrefour em 03 de dezembro de 2015, e deu prazo de 20 dias  para eles solucionarem o problema ou respondessem a esta notificação sobre os motivos de estar o portão fechado. Como este prazo venceu em 23 de dezembro, véspera de Natal ,nada foi feito.
Então entrei em contato de novo com o Ministério Público, no começo deste ano de 2016, e me disseram que o Carrefour respondeu à notificação. E me disseram ainda que o MP tinha requerido ao CREA que um fiscal fosse até o local fazer uma vistoria, para saber se havia local próprio para essa acessibilidade. E de novo informei ao MP que o lugar já existia ,faltava apenas abrir o portão ou trocar o motor do portãozinho que lá existe.  
Contudo,este local,por onde eu deveria passar,e também outros cadeirantes,continuava fechado até finais de janeiro deste ano de 2016. Inclusive com uma corrente e com cadeado. 
E esperei mais tempo,para ver se eles solucionavam o problema. 
Agora, logo após o carnaval,exatamente no dia 10/02/2016,pude ver que trocaram o motor e tiraram a corrente do portão,mas o mesmo continua estragado, Não abre. Ou seja, não funciona. E isto impede a minha entrada como cadeirante que sou e de outros como eu. Assim como impede a entrada de senhoras com crianças em carrinhos de bebê. 
Na verdade eles não cumpriram até hoje (19/02/2016) a determinação do Ministério Público e continuam impedindo a entrada de cadeirantes e de outras pessoas, pelo local que deveria estar aberto, ou com o portão eletrônico funcionado. Com tal atitude o Carrefour está claramente infringindo o disposto no Artigo 3º Incisos I e IV da Lei 13.146 de 2015 .
Eles não respeitam as pessoas,não respeitam nem os clientes,como eu. E nem respeitaram à determinação do Ministério Público de Goiás,pelo menos até agora...
Eu e outros cadeirantes nos sentimos humilhados ao ter de passar por lá,tendo de se levantar,(quem pode ),pôr as compras no chão ,ou depender da ajuda de outras pessoas para poder sair por uma entrada bem estreita destinada a pedestres, e por onde não cabe a cadeira de rodas,nem carrinhos com crianças, e nem passa pessoas gordas(obesas). 
Certa vez me disseram que eles fecharam este portão de acesso a cadeirantes porque algumas pessoas estavam saindo por ali e roubando os carrinhos vazios que são do Supermercado. Este argumento não se sustenta,pois eles podem muito bem pôr fiscais ou vigias. E há outras entradas e saídas ,e não só aquela,para pessoas normais,que podem andar,ou que estão de carro ,etc...
Afinal de contas esta Empresa "Carrefour",de origem francesa, ganha muito dinheiro.
Resolvi postar esta minha Opinião-Denúncia aqui para que todos saibam como agem estas Empresas Grandes que não respeitam as pessoas,mesmo as que são seus clientes como eu e minha família. 
E nem respeitam as leis brasileiras ,pois até o presente momento, mesmo com a interferência do MP, nada fizeram para abrir o local de acesso aos cadeirantes.
Espero que eles vejam este meu texto, e possam tomar as providências para abrir o acesso a cadeirantes  que fica no Carrefour da T-9, Setor Sudoeste.
Enquanto isto vou continuar tentando e à espera de que o Ministério Público de Goiás faça valer a sua força, obrigando o Carrefour a cumprir a nova Lei de Inclusão,de nº 13.146 de 06 de julho de 2015,que entrou em vigência exatamente no dia 06 de fevereiro deste ano de 2016. (Lei de Inclusão, Acessibilidade,etc.).
Minha próxima ação é levar este caso para a Justiça e para a Televisão.
Vou continuar lutando por este direito,que é meu, e de outras pessoas.Pois, como diz  Rudolf Von Ihering  em sua obra "A Luta pelo Direito" : "Quem não luta pelos seus direitos,não é digno deles" .

OBSERVAÇÃO :
Depois de muitas ligações que fiz e da notificação do Ministério Público, este Supermercado arrumou o portão.Porém nunca tem ninguém para abri-lo eletronicamente,dentro do Supermercado. Continuam dificultando a entrada e saída de cadeirantes,de mulheres com crianças em carrinhos,etc.
Estes dez primeiros dias úteis de julho de 2016,continuei passando por humilhações,ao entrar e sair do supermercado,pois não abrem o portão eletrõnico que citei nesta crônica-verdade. 
É um verdadeiro desrespeito para com o ser humano,sejam adultos como eu,ou para com as crianças nos carrinhos de bebês.
Contudo,o dinheiro dos fregueses que,como eu,compram lá todos os dias. eles não dispensam !

NOTA :
Pensei em não mais postar esta crônica-denúncia no meu Blog,se eles arrumassem a entrada para cadeirantes ,da qual falo aqui neste meu texto. Porém,passados muitos meses,somente umas duas semanas o portão do qual falo "funcionou" . E de novo tudo voltou como era antes. Eles não se importam mesmo com os cadeirantes e com as mulheres com carrinhos de crianças. 
-Querem apenas o dinheiro dos clientes.
Por isso reeditei este texto e vou sempre postá-lo por aqui,até que eles arrumem o tal portão ou liberam de uma vez a passagem para cadeirantes.

E agora,em finais de novembro de 2016 tudo continua como antes.São várias as vezes em que fui lá e não pude passar nesta "passagem",exatamente porque eles não abrem. Mesmo pedindo alguém da gerência para abrir,não abrem.É um total descaso desse povo do Carrefour para com os fregueses deste supermercado,nesta região da cidade de Goiânia,Go,onde moro. 
Até quando ?

P.S. Em fevereiro do ano passado pedi para um Jornal de Goiânia,GO, o "DIÁRIO DA MANHÃ",para publicar este texto,num espaço destinado à "OPINIÂO DE LEITORES ",mas eles se recusaram. E isto se explica: Este é um jornal vendido aos políticos também e que ,decerto,ficou com medo de perder patrocínio ou publicidade deste Supermercado.

E agora, em fevereiro de 2017, posto de novo este mesmo texto-denúncia,porque até hoje o problema continua. Sempre que vou lá nunca abrem o portão na hora que preciso entrar . Inventam histórias ,dizem que não ouviram a campainha, ou que não tem funcionário para tal. E com isso a minha entrada neste estabelecimento comercial,assim como a entrada de outras pessoas,continua prejudicada. É humilhante,principalmente.

Goiânia,GO, - Reedição 28 de fevereiro de 2017 
Antônio Luiz  Gomes ( Escritor- Autor do Livro "As Vítimas da Sociedade" - Editora Clube de Autores -SC/SP -2015)