terça-feira, 26 de abril de 2016

UM CASAMENTO QUASE PERFEITO ! (Conto-Crônica )

  • Alguns meses atrás encontrei com um amigo dos tempos de faculdade. O Carlos José. Ele me contou sua estória em pouco mais de 30 minutos de conversa em que nos falamos. Falou-me especificamente sobre sua vida de casado. De mais de 20 anos de casado,na verdade. 
  • Eu não o via desde o ano de 2006, embora eu tivesse trabalhado com ele em épocas anteriores e nos vimos varias vezes depois de seu casamento.Conheci a esposa dele antes de se casarem. 
  • Carlos me disse que tinha  uns vinte e oito anos quando conheceu sua cara metade. A Míriam. Ela era uns seis anos mais nova que ele. ou seja,tinha 22 anos de idade .Ele já estava formado e ela ainda estudando. Ela também fazia um curso superior, mas o dia a dia, o trabalho e outros planos, tinha lhe desviado da faculdade. Tinha parado por um tempo. 
  • Apaixonaram-se e se casaram em pouco mais de dois anos de namoro firme. Praticamente do noivado ao casamento foram somente seis meses. Eu lembro bem disso,foi em 1988.
  • E como nenhum deles era rico, alugaram um apartamento,inicialmente. Carlos que era um profissional liberal, dava o duro para pagar as contas, e ela, bem simples, fazia o que podia para ajudar, fazendo economia. 
  • Ela queria trabalhar. Ele era meio contra, não sei se por ciúme ou porque queria ter uma esposa em casa, a lhe esperar, como era antigamente no tempo de nossos pais. Carlos e Míriam planejavam também ter filhos
  • Nos dois primeiros anos ia dando tudo certo.Embora com algumas dificuldades,mas ia dando para viver.Porém, como ela tinha parado de estudar,convenceu-o que deveria terminar a faculdade. Disse que logo ela iria trabalhar e com isso o ajudaria nas despesas. 
  • Ele concordou. 
  • Assim ela voltou à Faculdade.E quem pagava a mensalidade desa faculdade era ele. Como eles só tinham um carro  cabia a ele levá-la à Faculdade e buscar todos os dias úteis, à noite.
  • Assim, dois anos depois, ainda no começo dos anos 90 ele  já com 31/32 anos de idade e ela com 25 para 26, continuavam indo bem, casados,porém ainda sem filhos. 
  • E ele concordando com tudo. Agora ela estava trabalhando o dia todo. Mais uma vez ele concordou. Afinal de contas o salário era muito bom .Compensava. 
  • E ele teve que arrumar uma empregada para arrumar a casa, de vez em quando. Uma diarista. 
  • Inicialmente a Miriam ainda fazia o almoço. Ele também fazia. Depois,sem terem tempo os dois, contrataram uma empregada doméstica que fazia tudo. Só ele pagava esta conta.Ou melhor,a maioria das contas...
  • Passou o tempo,mais  uns três anos. E nessa rotina, eles mal se viam. Moravam na mesma casa,só que os horários era diferentes. Só nos fins de semana podiam realmente conversar..
  • E nestes,cada um tinha um programa. Ele ia ao futebol que ela não ia, e ela ia na casa da mãe dela,que era a sogra,onde ele  quase não ia. 
  • E ficavam pouco tempo juntos, mas dormiam juntos,pelos menos isto. E iam a restaurantes,de vez em quando. E  depois vieram os filhos. Dois de uma só vez. Agora ela tinha 28 anos e ele 34. 
  • Era o começo dos anos 90.
  • Ela muito vaidosa e agora formada,trabalhando o dia todo. E já tinha seu próprio carro. E para manter o corpo e o visual bonito, não chegava em casa antes das oito da noite a maioria dos dias,pois num dia tinha de ir no salão de beleza arrumar o cabelo. Noutro ia na academia, ou era um ou outro,ou os dois no mesmo dia..
  • A Academia era três vezes por semana.. 
  • E invariavelmente,nos dias de semana à noite, principalmente às sexta-feiras,  ela saia com as amigas, colegas de trabalho. Isto fazia parte do "esquema" da firma.
  • E ele em casa, fazendo seu trabalho no computador a esperava pacientemente,e com a ajuda de uma outra empregada, que morava em sua casa, olhava os filhos . Via filmes,assistia jogos e quase não saia.
  • Ele era quem mais acompanhava o crescimento dos filhos...
  • Até para levar no médico,era ele.. 
  • O certo é que os filhos,a comida e a casa,eram administradas e de responsabilidade dele. Ela era muito ausente.  E não gostava de repartir despesas. O dinheiro dela,na ideia dela,era somente para ela e suas vaidades,suas despesas pessoais.
  • Ele  de qualquer forma, por ser um profissional liberal autônomo ,tinha mais tempo que ela ,para a casa e para os filhos. Pelo menos quando estava em casa, ela estava contente e bonita, porém cansada.
  • Quando completaram dez anos de casados,nas férias dela, em 1998, fizeram uma viagem com os filho,para um outro Estado brasileiro.
  • A primeira e a última,segundo ele.
  • Se aborreceram e voltaram antes do previsto.
  • E depois disso,ela passou a estudar mais,fazer mais cursos,ficava ainda mais tempo fora de casa. Depois começaram as viagens para fora do Brasil. 15 anos de casados,no começo do ano de 2003,o padrão de vida deles tinha melhorado e tinham comprado uma casa grande, a chamada "casa dos sonhos", que era sempre administrada ,organizada e mantida com 90 % (noventa por cento) do ganho do Carlos. 
  • Nessas alturas a Míriam já tinha sua independência financeira. Suas contas só ela que pagava. Eram um casal moderno,só que ela muito ausente.
  • E os filhos, agora adolescentes, era de responsabilidade do Carlos ,até para organizar suas roupas,levar e buscar na escola. A comida e a casa, repito,era ele que organizava e fazia, com a ajuda da fiel empregada,uma senhora já de idade que ganhava mais de dois salários para tanto. 
  • O Carlos, foi contando sua estória. E em  2005 com 44 anos de idade,ainda tinha seus amigos, sua família, e gostava muito de futebol e de trabalhar, o que ocupava bem seu tempo. E também era  muito preocupado com os filhos.
  •  Porém ele já se sentia só,mas ia aguentando. Ele não me falou hora nenhuma que tinha traído a esposa Míriam neste tempo todo de casados...
  • E confiava nela, agora com 38 anos,ainda bem bonita e de quem ainda gostava muito. Nunca  me falou em traição dela.
  • Ela não se dava bem com a sogra(mãe dele) nem com as irmãs dele. E ele não visitava muito a família dela. 
  • Era assim mesmo .
  • Ele me disse que a sua sogra era meio estranha,voltada para outra religião. Não queria esta influência para seus filhos. Mas ela influenciou a Miriam.
  • Finalmente,para encurtar a estória,depois de um certo tempo prestes a completar uns 20 anos de casados, o amor esfriara.  Carlos já não tinha aquele interesse nela, e nem ela nele. 
  • Muitos falam que  nos casamentos acontecem isto. Este "esfriamento" E vive-se mais de aparências, para manter os  filhos juntos, pagar contas, manter a família. A sociedade e a família de ambos os cônjuges "cobram" este comportamento.
  • E com o padrão de vida em alta,pois ela ganhava bem no seu trabalho,Miriam sempre viajava. Às vezes ia com um dos filhos,outra vezes ia só, ou com sua mãe. Sempre sem o Carlos que não podia se dar ao luxo de sair muito,pois o seu trabalho,embora liberal, era cheio de prazos, compromisso, audiências, etc .
  • E ele era muito correto nisto. Não tinha férias...
  • Agora,nestes últimos dias,que eu encontrei o Carlos ,e como eu conhecera sua esposa, e até já visitara sua casa, vira seus filhos pequenos, não podia deixar de perguntar: como estava a vida de casado? 
  • Afinal, estávamos em 2014 e pelas minhas contas,eles estavam para fazer 26 anos de casados. 
  • Foi ai que ele me contou tudo acima e disse ainda que, quando estava prestes a completar 20 anos de casados, em 2008, num só mês, Miriam saiu do trabalho, onde ganhava muito bem, e se divorciou dele, indo morar em outra cidade. 
  • Agora,mais recentemente,ele soube que ela já está casada com outro homem. Este ela conhecera em outro Estado, numa destas viagens que sempre fazia,ainda na época em que estava casado com o Carlos.  
  • Os filhos ,agora adultos,moram cada um num lugar, em cidades diferentes, embora ainda sejam solteiros...
  • São estudantes universitários.
  • . E o Carlos sozinho. Ele e seu trabalho. E ficou só ele e a empregada velha, na grande casa que comprara quando era casado com Miriam. 
  • E não sei porque, ela não quis que vendesse essa casa ou que partilhasse o valor com ela,quando do Divórcio.
  • Isto ele não me disse. 
  • A grande casa ficou com ele. E agora ele está só, sem a Miriam, a que eu achava ser a esposa perfeita,e que ele também assim me dissera uma vez,quando chegamos a trabalhar juntos. 
  • Disse me ele uma vez:
  • - "Ela, a Míriam além de bonita , era muito inteligente e era, para ele, a esposa perfeita".  
  • Numa época em que eu era solteiro e pensava em me casar também... 
  • -Dava até inveja !
  • Repito : Agora ele está só, na casa grande. Sem a Míriam,sem os filhos e só trabalhando,pois não ficou tão triste como eu pensara. Acho que ele já estava acostumado a viver só,mesmo durante a época dos últimos anos de casado com a Miriam. 
  • Afinal, ela quase nunca estava em casa...
  • Ela se foi e ele nem sentiu tanto a falta dela.. segundo me disse desta vez que nos vimos,no mês passado. 
  • Só lamentava pelos filhos,que não moram com ele. E também porque a sua família,com  a Miriam e com os filhos em casa,acabou !
  •  E disse não entender bem porque ela se foi,se separou dele,já que ele concordou em "deixar" ela ter a vida bem livre,mesmo sendo casada...
  • Logo ela  que era, num determinado tempo, para ele, a "mulher perfeita ".
  • Eu diria que ela pode ter sido, para ele, num pequeno espaço de tempo,a mulher "quase" perfeita...
  • Para consolá-lo eu lhe disse: 
  • -Agora que você está só e com a vida financeira em dia, e ainda é jovem (50 e poucos anos) pode arrumar uma outra esposa,inclusive mais nova até do que a Míriam.
  • Afinal ele tem casa, renda e profissão, e é divorciado,pensei...
  • Porém o Carlos,já se despedindo falou a sua última frase deste nosso encontro:
  • "Não quero me casar de novo. Não pretendo.Vou ficar só namorando por ai. Não quero passar por tudo que passei novamente !"
  • E foi embora...
   A.G. - Reedição : 26/04/2016