quinta-feira, 9 de outubro de 2014

POESIA NA CIRANDA E NO REPENTE NORDESTINO DE ALCEU VALENÇA,COM ORÍGENS EM PORTUGAL E ESPANHA

Não sei se já enalteci aqui a música do grande Alceu Valença,Cantor/Poeta Pernambucano,hoje conhecido em todo Brasil e também fora dele. Acho que já postei mais de uma música dele. Pelo menos,no ano passado postei a musica Pétalas, (cantada por ele,mas que não é de sua autoria ).
Além de ter nascido na mesma cidade que ele,temos em comum o Curso de Direito,embora eu seja mais jóvem e resida em Goiânia. Meu pai foi amigo do pai e do tio do Alceu,quando eu ainda era menino e morava na cidade em que nascemos(São Bento do Una- Estado de Pernambuco-Brasil).
Não o conheço pessoalmente embora já o tenha visto cantar ao vivo aqui em Goiânia,por duas vezes.
Como admirador de sua obra,tenho discos dele.(desde "bolachões" de vinil até o recentes CDs.) Algumas de suas composições são verdadeiros poemas ,que foram musicados. Sem falar em algumas "emboladas" e outros textos de músicas tiradas da literatura de cordel (Ascenso Ferreira) e de romances portugueses (Julio Diniz, Fernando Pessoa) e ou de poesias  faladas, ou obras Literárias (Dom Quixote, de Miguel Cervantes de Saavedra) oriundas da Espanha.
Alceu seria uma espécie de Menestrel do Agreste,que deu certo e que fez e faz sucesso em todo o Brasil. Minha homenagem a ele(que Graças a Deus ainda está vivo),  que continua cantando e encantando por todo o Brasil. São poucas as músicas que canta que não são de sua autoria. Todas são sucesso,para mim!
REPRODUZO ABAIXO A LETRA DE UMA DE SUAS MÚSICAS : (para mim poesia pura  )
AGALOPADO
" Quando eu canto,seu coração se abala
Pois sou porta-voz da incoerência
Desprezando seu gesto de clemência
Sei que meu pensamento lhe atrapalha
Cego o sol seu cavalo de batalha
Faço a lua brilhar no meio-dia
Tempestade eu transformo em calmaria
Dou um beijo no fio da navalha
Pra dançar e cair nas suas malhas
Gargalhando e sorrindo de agonia...

Se acaso eu chorar não se espante
O meu riso e o meu choro não tem planos
Eu canto a dor,o amor,o desengano
E a tristeza infinita dos amantes
Dom Quixote liberto de Cervantes
Descobri que os moinhos são reais
Entre feras,corujas e chacais
Viro pedra no meio do caminho
Viro rosa,vereda de espinho
Incendeio esses tempos glaciais.
P.S.
(Creio que esta embolada,que deu origem à música "Agalopado",seja de Ascenso Ferreira,e tenha sido musicada pelo Alceu Valença,no começo de sua carreira ,lá pelos idos de 1975,quando apareceu para o Brasil,no Festival "Abertura",da Rede Globo,onde  cantou "Vou Danado pra Catende", um poema tresloucado dele, e dos versos de Ascenso Ferreira,em cima da poesia do também Pernambucano Manoel Bandeira.
Para curiosidade dos fãs de Alceu, no começo de sua carreira Alceu tinha como guitarrista ,além de outros o Paulo Rafael "Lampião",que continua com ele até hoje, e  o não menos conhecido José Ramalho (da Paraíba), o ZÉ RAMALHO de tantas músicas boas.

Reedição: 09/outubro de 2014.